Sobre o convite

Antes da invenção da imprensa com tipos móveis por Gutenberg 1447, os casamentos na Inglaterra eram tipicamente anunciados por meio do Pregoeiro: um homem que andava pelas ruas anunciando em voz alta as notícias do dia e comunicados oficiais. A princípio, qualquer um que estivesse ao alcance da voz do pregoeiro poderia fazer parte da celebração.

Durante a Idade Média - época em que o analfabetismo era generalizado - a prática de enviar convites de casamento escritos surgiu entre a nobreza. As famílias ricas contratavam monges, hábeis na arte da caligrafia, para confeccionar seus comunicados. Esses documentos muitas vezes levavam o brasão das armas ou o timbre pessoal do remetente e eram selados com cera para garantir sua autenticidade e inviolabilidade.


A Partir de 1600

Apesar do surgimento da imprensa, as técnicas simples de impressão da época, em que a tinta era simplesmente "carimbada" no papel usando tipos de chumbo, produziam resultados considerados muito pobres para os convites de alta classe. No entanto, a tradição de anunciar casamentos no jornal se estabeleceu neste período.

Em 1642, a invenção da gravura em chapa de metal (ou mezzotint), por Ludwig von Siegen, colocou convites de casamento de maior qualidade ao alcance da classe média emergente. A gravura exigia que um artesão marcasse o texto invertido, à mão, em uma placa de metal, usando uma ferramenta de escultura. A placa era então usada para imprimir o convite.

Os convites gravados eram protegidos de manchas por uma folha de papel de seda colocado em cima, uma tradição que permanece até hoje. Na época, a confecção de convites de casamento era mais elaborada - e trabalhosa - que hoje. Normalmente, o nome de cada convidado era impresso individualmente no convite.

Apesar das dificuldades, mais e mais casais adotavam a prática de enviar convites impressos personalizados, de forma a controlar melhor a quantidade e a origem dos convidados do casamento, tornando o evento cada vez mais privativo e familiar. 


Da Idade Moderna aos Dias Atuais

Na segunda parte da história dos convites de casamento, veremos o aperfeiçoamento das técnicas de confecção gráfica, durante a Revolução Industrial, até as tendências atuais, como a gravação a laser.

Na primeira parte do nosso especial sobre a História do Convite Casamento, vimos como foi o surgimento e a evolução das formas de se convidar parentes e amigos para a celebração, desde as convocações públicas, por voz, da Idade Média até a criação da gravura em chapa de metal (1642) que trouxe impressos de melhor qualidade para a nova classe média. Veja agora a segunda parte dessa história.


A Revolução Industrial

Após a invenção da litografia por Alois Senefelder, em 1798, tornou-se possível a produção com tinta bastante nítida, sem a necessidade de gravação. Isso abriu o caminho para o surgimento de um verdadeiro mercado de convites de casamento em massa. No entanto, os convites ainda eram entregues em mãos e a cavalo, devido à falta de confiabilidade do sistema postal nascente. Um "envelope duplo" era usado para proteger o convite de danos a caminho de seu destinatário. Esse costume se mantém até hoje, apesar dos avanços em termos de confiabilidade postal.

• Convites de Casamento: dicas paa a escolha, dúvidas, subscrição, RSVP, etc.


Tempos Modernos

As origens da impressão comercial da chamada "papelaria fina do casamento" pode ser atribuída ao período imediatamente após a Segunda Guerra Mundial (1939 - 1945), onde uma combinação de democracia com um rápido crescimento industrial deu ao "homem comum" a capacidade de imitar os estilos de vida e o materialismo da elite. Nessa época, figuras proeminentes da sociedade, como Amy Vanderbilt e Emily Post, surgiram para aconselhar homens e mulheres sobre etiqueta e boas maneiras.

O crescimento no uso de papelaria do casamento foi também impulsionado pelo desenvolvimento da impressão termográfica. Embora não tendo a delicadeza e nitidez da gravura, a termografia é um método mais barato de conseguir letras em relevo. Esta técnica produz letras claras, em relevo, sem afetar a superfície do papel (como no caso da gravura tradicional). Dessa forma, convites de casamento, impressos ou gravados, finalmente tornaram-se acessíveis para todos.

Mais recentemente, a impressão tipográfica de convites teve um grande ressurgimento em termos de popularidade. Essa técnica tem um certo charme e apelo artesanal, por possibilitar uma impressão marcante. Muitas empresas de tipografia que se especializaram em convites de casamento são pequenas start-ups, ao invés de grandes empresas de impressão.

A gravação a laser também avançou no mercado de convites de casamento ao longo dos últimos anos. Inicialmente usada para gravar em folheados de madeira, hoje é também utilizada para gravação em acrílico ou para marcar certos tipos de convites de metal.


Comércio On-line de Convites

A última tendência na aquisição de convites de casamento é encomendá-los on-line. Usar a Internet tornou a visualização, seleção e encomenda de convites uma tarefa bem mais fácil. Existem centenas de sites que oferecem convites e artigos de papelaria na grande rede de computadores e estar on-line permite aos clientes deles encomendar seus produtos de qualquer lugar do mundo.

Aqui, no Guia de Casamento, os noivos dispõem de um aplicativo on-line que lhes permite escolher a mensagem do convite (frase ou versículo bíblico), fornecer os dados do casamento e montar um pré-layout que poderá ser impresso ou gravado em mídia. Uma boa ajuda na hora de escolher o modelo do convite junto aos fornecedores, como gráficas, papelarias, lojas ou artesãos.